O que é o Adro?

Um adro é um terreiro, um espaço fronteiro ou circundante a uma igreja.

Um espaço que está fora da Igreja, mas que é Igreja ele próprio – não há adro sem Igreja.

Claro que pode existir Igreja sem adro mas, neste caso, esta fica circunscrita – claustrofóbica mesmo – no tecido urbano, sem fronteiras nem horizontes que lhe permitam ver e ser vista no emaranhado construído, que lhe permitam respirar.

No adro juntam-se as pessoas que se dirigem para a Igreja, é um espaço de convergência.

Nele se detêm aqueles que saem do templo após os momentos celebrativos ou devocionais. É um espaço de paragem, de convívio e continuidade celebrativa. Não sendo um espaço litúrgico, é ele também espaço celebrativo.

Espaço de passagem também para aqueles que atravessam a cidade, passam pela Igreja e nesta não se detém o seu olhar, por vezes nem o seu pensamento.

Espaço de trânsito, espaço de oportunidades.

No adro tudo se fala, tudo se pode falar: ao que se vai, do que se vem; o que leva, o que se traz; porque se está, porque se passa ao lado…

O adro é espaço de saudações, conversas e debates, sorrisos e cumplicidades; espaço de descobertas e revelações, espaço de vida…

O adro é espaço de oportunidades, espaço de diálogo e encontro.

O adro está presente e disponível através de eventos presenciais regulares e online.

Vemo-nos no adro?...
O adro surge da consciência da identidade católica do CNE e da reflexão sobre a realidade atual do CNE, segundo as quais é fundamental investir-se na formação pessoal e espiritual dos adultos com vista a uma mais adequada e profunda animação e vivência da fé nas nossas unidades e agrupamentos.

Neste contexto, o adro pretende proporcionar espaços regulares de alcance e participação nacional em torno da animação da fé e vivência da espiritualidade no CNE. Espaços que sejam momentos de:


Relexão e Debate

Partilha

Formação

Celebração

Animação

Encontro



O adro está presente e disponível através de eventos presenciais regulares e online.